sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre c...

Instituto Nangetu: Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre c...



Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre cinema negro, circuação de filmes brasileiros e cineclubes nos terreiros, ele fala para Arthur Leandro, Diretor Norte do CNC (2010-12), e coordenador do Projeto Azuelar/ Cineclube Nangetu, e um dos coordenadores do GT de Comunidades Tradicionais da PARACINE que agita a Rede de Cineclubes nos Terreiros da zona Metropolitana de Belém. Gravado em São Luís do Maranhão em 30 de novembro de 2011 - durante a I Oficina de Construção de Políticas Públicas para povos Tradicionais de Terreiros, promovida pelo Ministério da Cultura/ Secretaria da Cidadania Cultural.

Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre c...

Instituto Nangetu: Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre c...



Depoimento do cineasta Joel Zito de Araújo sobre cinema negro, circuação de filmes brasileiros e cineclubes nos terreiros, ele fala para Arthur Leandro, Diretor Norte do CNC (2010-12), e coordenador do Projeto Azuelar/ Cineclube Nangetu, e um dos coordenadores do GT de Comunidades Tradicionais da PARACINE que agita a Rede de Cineclubes nos Terreiros da zona Metropolitana de Belém. Gravado em São Luís do Maranhão em 30 de novembro de 2011 - durante a I Oficina de Construção de Políticas Públicas para povos Tradicionais de Terreiros, promovida pelo Ministério da Cultura/ Secretaria da Cidadania Cultural.

Depoimento da liderança do Ilê Axé Yemanjá Omi Olo...

Instituto Nangetu: Depoimento da liderança do Ilê Axé Yemanjá Omi Olo...:



Depoimento da liderança do Ilê Axé Yemanjá Omi Olodo, de Porto Alegre, sobre cineclubes nos terreiros, ela fala para Arthur Leandro, Diretor Norte do CNC (2010-12), e coordenador do Projeto Azuelar/ Cineclube Nangetu, e um dos coordenadores do GT de Comunidades Tradicionais da PARACINE que agita a Rede de Cineclubes nos Terreiros da zona Metropolitana de Belém.
Gravado em São Luís do Maranhão em 30 de novembro de 2011 - durante a I Oficina de Construção de Políticas Públicas para povos Tradicionais de Terreiros, promovida pelo Ministério da Cultura/ Secretaria da Cidadania Cultural.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Eleita a diretoria Executiva da PARACINE para o biênio 2011-13,




Coordenador Geral - Maicon Meireles. Labirinto Cinema Clube
Coordenador Administrativo - Francisco Weyl. Cineclube Amazonas D'Ouro
Coordenador Financeiro Carlos Alessander - Cineclube Cavaleiros da dama
Coordenador de Comunicação - Ivan Oliveira - Cineclube AGAM
Coordenadora de Integração Regional - Adriane Gama - Cineclube Primeria estação
Coordenador de Projetos - Mateus Moura - Cineclube da APJCC
Coordenador de Educação e Formação - Kid Quaresma - Cineclube Insular.
 
 
Conselho Fiscal
Hélio Amorim - Cincelube Boca da Mata
Arthur Leandro - Cineclube Nangetu
Afonso Galindo - Cineclube da Memória

Propostas aprovadas na II JOPACINE, Paraupebas/PA.




Propostas aprovadas na II JOPACINE
Referendar todas os debates e propostas aprovadas em todos os DIALOGOS CINECLUBISTAS realizados após a primeira Jopacine e anteriores a presente Jornada/
Referendar as propostas aprovadas pelo CONSELHO NACIONAL DE CINECLUBES na jornada nacional de Moreno, Pernambuco, com a ressalva da necessidade urgente de que a Historia do cineclubismo no PARA seja reconhecida em todos os documentos produzidos e apoiados pelo CNC/
Insercao nos anais da II JOPACINE da CARTA DEL TABOR/
Repudio a Camara Municipal de Redencao, na pessoa do seu presidente, o Vereador Joao Lucio, por ter promovido a censura, impedido a continuidade da acao do Cineclube Boca da Mata – Cine + Cultura e se recusado a fornecer documentos publicos a comunidade/
Realizacao na primeira quinzena de marco/2012 de tres seminarios simultaneos pro-FAAL, Forum Audiovisual Amazonia Legal, nas regioes do Tapajos, Carajas e metropolitana (Belem), elegendo-se para isso uma comissao composta por Arthur Leandro, Afonso Gallindo e Mateus Moura
Realizacao do Colóquio do Cinema Paraense, com o tema Cinema, cultura e desenovimento regional, com os seguintes objetivos : provocar a reflexão sobre o movimento cinematográfico regional e nacional / socializar informações sobre os diversos projetos cinematográficos em desenvolvimento no Estado estabelecer oportunidade de parceiras entre os vários atores do segmento audiovisual paraense / Formular indicativos de ação para o fomento da produção cinematográfica regional. Deste seminario poderao participar · Cineastas e realizadores audiovisuas diversos · Estudantes de áreas diversas · Técnicos e gestores de instituições e orgãos de governos interessados na temática. Metodologia de realização: a) Conferência norteadora da temática b) Apresentação de trabalhos (experiências) c) Rodas de conversas d) Carta de conclusão/
Referendar a CARTA DOS CINECLUBISTAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM (abaixo)
A experiência da troca de conteúdos e vivências proporcionada pela participação nos DIÁLOGOS CINECLUBISTAS trouxe para os seus participantes a certeza de que o CINECLUBE é um espaço de construção de aprendizados e diálogos democráticos e necessariamente uma ferramenta educativa capaz de formar consciências e culturas poéticas e visuais, pelas quais o ser humano pode vir a criar e a produzir um novo pensamento, assim como a arte na sua plenitude política e libertária. Nesse sentido, nós, abaixo-assinados, realizadores, produtores e técnicos, atores e atrizes, cineclubistas, críticos e pesquisadores, exibidores e amantes do cinema, representantes de projetos e organizações resolvemos tornar pública a CARTA DOS CINECLUBISTAS, com o objetivo de refletir, compartilhar e sugerir idéias e propostas para fortalecer o cinema, o audiovisual e o cineclubismo no Estado do Pará. CONSIDERANDO: * Que a dimensão continental e a diversidade cultural amazônidas são fatores que devem ser referenciados de forma a que sejam rompidas as amarras impostas pelo processo colonizador que cria padrões culturais e mediáticos - internacional e nacional -, que dificulta o direito à produção do conhecimento pelos povos de nossa Região; * Que a produção e a difusão audiovisual que considerem identidades e modos de vida na Amazônia são premissas básicas para que instauremos um processo de construção de novas perspectivas poéticas e visuais capazes de fazer frente às referências audiovisuais impostas pela indústria cultural; * Que é inalienável o direito dos realizadores paraenses garantirem que os seus filmes sejam vistos pela comunidade, do mesmo modo que é também inalienável o direito do povo paraense e amazônida de ter acesso às obras cinematográficas e reflexões críticas produzidas na Região e no mundo; * Que esta consciência também é uma garantia de fortalecimento do atual momento, pelo resgate da memória do cinema e do imaginário de si mesmo; * Que o atual estágio de amadurecimento coletivo das organizações culturais autônomas amazônidas está em sintonia com o avanço dos movimentos sociais; * Que o CINECLUBE tem características colaborativas e solidárias, pelo que as suas atividades são desenvolvidas de forma democrática, mediante compromisso ético e cultural, sem fins lucrativos; * Que as ações de caráter cineclubista dependem de atores voluntários que não economizam esforços para realizar as suas intervenções, na medida em que são amantes do cinema e acreditam na construção de uma cultura visual poética e estética capaz de propor a reflexão crítica amazônida e democratizar a cultura cinematográfica mundial; * Que os praticantes do cineclubismo consolidam e ampliam os circuitos de exibição e fortalecem uma cadeia produtiva (audiovisual e intelectual) solidária, com investimento na economia local, de modo que para as práticas cineclubistas são fundamentais e para a divulgação das obras cinematográficas, na medida em que as tornam conhecidas da comunidade.
PROPOMOS:
Apoio a campanhas e iniciativas promovidas pela Federação Internacional de Cineclubes (FICC) e pelo Conselho Nacional de Cineclubes (CNC);
Implementação de políticas públicas de fomento e fortalecimento da atividade cineclubista no Estado de Pará; Estadualização dos editais nacionais do audiovisual;
Inclusão de ações de fomento à atividade cineclubista no Plano Estadual de Cultura e nos editais que venham a ser lançados no campo audiovisual paraense; Inclusão da participação de pessoas físicas em editais cineclubistas (o fomento estatal deve assimilar à dinâmica e a complexidade cineclubista como um movimento que não necessariamente está vinculado a entidade com corpo jurídico consolidado); Criação da bolsa-cineclube;
Criação de bolsas de pesquisa em cinema e cineclubismo;
As ações governamentais devem necessariamente interiorizar as ações cineclubistas;
Apoio as organizações sociais que desenvolvem ações cineclubistas no Estado do Pará;
Estímulo à criação e acompanhamento de novos cineclubes, dentro de uma política de economia solidária, embutida em uma estrutura de formação, pesquisa, reflexão, produção, exibição, distribuição e preservação da cultura audiovisual paraense e amazônida; Apoio ao deslocamento para participação dos cineclubes paraenses nos eventos estaduais, nacionais e internacionais;
Investimento em publicações referentes ao movimento cineclubista, como artigos, críticas e material impresso de divulgação coletiva das programações; Investimento no Circuito Paraense de Cinema em toda a rede de cineclubes, estadual, nacional e internacional, em parcerias diretas com instituições e empresas;
Investimento na distribuição e exibição do acervo de produções do audiovisual paraense e amazônida;
Digitalização e disponibilização à comunidade, inclusive pela internet, do acervo do Museu de Imagem e Som – MIS;
Promover intercâmbios para fortalecer a rede solidária cineclubista;
Inclusão das organizações de cineclubes nos colegiados de decisão das políticas públicas do setor cultural;
Participação das organizações de cineclubes nos espaços públicos cinematográficos (Cine-Teatro Líbero Luxardo, Maria Silva Nunes, Cine Acyr Castro e Cinema Olímpia);
Inclusão de propostas cineclubistas em projetos como Escola Aberta e outros desta natureza;
Criação da CINEMATECA DO PARÁ, com estrutura para consulta e empréstimo de acervo, assim como a criação de um banco de memória e da história do audiovisual e do cineclubismo paraense; Estímulo às práticas cineclubistas em espaços urbanos (praças, ruas, feiras);
Investimento em circuitos cineclubistas com a produção audiovisual desenvolvida pelas comunidades paraenses; Fomento aos circuitos cineclubistas itinerantes;
Estímulo à produção e difusão cineclubista de filmes destinados ao público infantil;
Estímulo à produção e difusão cineclubista de filmes que tenham como tema e o protagonismo das comunidades tradicionais;
Uso da licença “CREATIVE COMMONS” como política de fomento à produção audiovisual;
Distribuição em “CREATIVE COMMONS” dos produtos audiovisuais resultantes de fomentos estatais;
Fortalecimento de experiências cineclubistas desenvolvidas no âmbito da administração pública, como o CINE-UEPA, CINE-EGPA, CINE PEDRO VERIANO, SESSÃO CULT, e outras;
Investimento para o MAPEAMENTO da produção audiovisual e das práticas cineclubistas paraenses.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Observe a data: PARAUAPEBAS dias 8 e 9 de DEZEMBRO de 2011

8 e 9 de DEZEMBRO DE 2011 - PARAUAPEBAS

Amigos, a data está incorreta.
FIQUE LIGADO; DIas 8 e 9 dezembro 2011

II JOPACINE CONVIDA

Cineclubistas:
A COMISSÃO EXECUTIVA ORGANIZADORA DA II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES convida formalmente - para participar da II JOPACINE, que acontecerá em Parauapebas, dias 8 e 9 DEZEMBRO 2011, os senhores 

Pimentel - Pte do CBC / Dir Comunicação CNC
Casol - Pte do CNC
Saskia - Vide-Pte do CNC
Claudino - Pte Federação internacional de Cineclubes
Rodrigo - Cine + Cultura
Delson - Minc/Regional Norte
Dani - Pte ABDeC Pa
Felipe Macedo 

Contamos com a Vossa presença.

A COMISSÃO ORGANIZADORA DA JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES

Prezados militantes cineclubistas, amantes das artes e pesso@s para as quais o amor à luta política e a resistência por um novo mundo ainda é possível:
Informo que este ano a JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES (JOPACINE) será de natureza autossustentável.

Isso tão somente quer dizer que a realizaremos sem recursos financeiros

Para se inscrever na JORNADA basta preencher o formulário disponibilizado neste link: http://www.curtacarajas.com/2011/index.php/programacao/inscricoes-ii-jopacine

GRAÇAS A PARCERIA COM O CURTA CARAJÁS/LABIRINTO CINEMA CLUBE E O APOIO DA PREFEITURAS/SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA DE PARAUAPEBAS, PODEREMOS GARANTIR:
1)      ESTRUTURA DO EVENTO, como equipamentos e salas para reuniões
2)      ALOJAMENTO em condições (quartos e banheiros) para 50 pessoas, desde que levem colchão ou redes.

Não poderemos garantir TRANSPORTE, mas, segundo informações, uma passagem terrestre de Belém-Parauapebas-Belém custa R$ 150,00 9CENTO E CINCOENTA REAIS) e a viagem dura 24 Horas.
Não poderemos garantir ALIMENTAÇÃO, mas segundo informações colhidas, um média de R$ 25,00/DIAS garante o básico (café/almoço/jantar) nos restaurantes populares do muncípio de Parauapebas.

Considerando-se o estado da situação, acordamos que esta JORNADA seja AUTOGESTIONADA,, convocamos e apelamos para o sentimento militante para que se desdobrem e se esforcem por participar da mesma.
Eu, Isabela do Lago, Miguel Haoni e Ivan Oliveira  (COMISSÃO EXECUTIVA) e mais ainda Arthur Leandro, Kid Quaresma, Darcel Andrade, Matheus Moura, Eliceli Abdoral, Rodrigo Ethnos, cada qual ao seu modo e de acordo com as suas possibilidades, apesar de termos nos esforçado para garantir as melhores condições para a nossa JORNADA, demo-nos este prazo, ou seja, hoje, sexta-feira, dia 18 de Novembro de 2011, para tomar esta importante decisão.

Por favor, amig@s, LEIAM/DISCUTAM os documentos anexos:
1)      Projeto
2)      REGIMENTO INTERNO/REGIMENTO ELEITORAL
3)      PROGRAMAÇÃO
Avaliamos que a leitura e a participação no debate sobre tais documentos é importante mesmo áqueles que não estarão presentes na JORNADA, já que podem colaborar de forma virtual.
A primeira gestão, como é de todos sabido, encerrou seu mandato dia 24 de julho, mas, publicamente, convocamos uma reunião e delegamos poderes a uma COMISSÃO EXECUTIVA DA JOPACINE, para gerir a entidade até a JORNADA, que será em Parauapebas, dias 8n e 9 de Dezembro, no âmbito do CURTA CARAJÁS.
A nossa gestão enfrentou percalços (na primeira versão da JOPACINE ainda conseguimos fazer coletas e inauguramos uma entidade já com problemas financeiros), mas avaliamos que manteve-se firme, na luta intransigente contra o estado de coisas que predomina aqui no Norte, sobre o qual nem vem ao caso aqui falar, para não perdermos o foco deste texto.
Mas a nossa mais importante missão está prestes a ser realizada que é legalizar a entidade.
E construir esta II JOPACINE.

BEM VINDOS À II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES!
*********************************************
II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES
8 e 9 DEZEMBRO 2011 – Parauapebas - Pará

Para se inscrever na JORNADA basta preencher o formulário disponibilizado neste link: http://www.curtacarajas.com/2011/index.php/programacao/inscricoes-ii-jopacine
Informamos ainda que todas as inscrições recebidas serão também submetidas aos CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO dispostos no Anteprojeto de REGIMENTO INTERNO (anexo a este email).
As inscrições podem ser feitas por cineclubes filiados ou não a PARACINE, assim como por pessoas físicas e jurídicas interessadas em participar do evento.
As inscrições podem ser feitas até o dia 8 de dezembro de 2011, entretanto, solicitamos que os cineclubes e cineclubistas façam já a sua inscrição ded forma a melhor nos prepararmos para este importante momento.
Registramos que ao efetivar suas inscrições os Cineclubes e seus representantes, filiados ou não a PARACINE, declaram estar de acordo com os critérios de participação fixados pela organização da Jornada e/ou das eleições à diretoria e ao conselho fiscal da PARACINE, disponibilizados no anteprojeto de REGIMENTO INTERNO.
**********************************************************************
ATENÇÃO:Todos os CINECLUBES e SEUS REPRESENTANTES, filiados ou não a PARACINE, terão direito a voz em todas as atividades previstas na programação da II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES.
Para que os CINECLUBES FILIADOS exerçam seu DIREITO DE VOTO através de seu DELEGADO é necessário:
1. Atualizar a Ficha de Filiação a PARACINE.
Em caso de ainda não ter feito, pagar as anuidades de 2011 a PARACINE.
2. A anuidade é de R$ 50,00 (Cinqüenta Reais), conforme deliberação da Diretoria Executiva, amplamente divulgada em redes sociais.
 O valor deve ser depositado da seguinte forma:
 NOME DO BENEFICIÁRIO: Isabela de Fátima do Lago Vieira
Diretora Financeira da PARACINE.
BANCO: Caixa Econômica Federal
AGÊNCIA: 1315
CONTA CORRENTE: 32865-5
OPERAÇÃO: 023
O comprovante do pagamento da anuidade deve ser encaminhados até o dia 15 DE DEZEMBRO DE 2011 para: 
 Também será possível efetivar tal pagamento no ato inicial de cadastramento junto a secretaria do evento.
 3. Comprovar funcionamento do projeto/entidade no segundo semestre de 2011, através de materiais (cartazes, programação eletrônica, matérias de imprensa, declaração de entidades, etc).
Este material deverá também ser entregue no ato ide cadastramento junto a secretaria da Jornada.
4. Atender às demais determinações previstas nos estatutos da PARACINE.
Informamos finalmente que DOCUMENTOS com a programação final e demais informações relacionadas a JOPACINE estão anexas a este email e sempre serão regularmente comunicadas aos participantes através dos e-mails informados nas fichas de inscrição e também através De http://www.paracineclubes.blogspot.com e de diversas listas e grupos de discussões virtuais.
BEM VINDOS À II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES!
Saudações Cineclubistas
Francisco Weyl
Coordenador Executivo de II JORNADA PARAENSE DE CINECLUBES

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Ativistas cineclubistas rodam documentário de Cosme e Damião


Com tantas datas para comemorar no país inteiro, a tradição de Cosme e Damião adquiriu, em Belém do Pará, uma dimensão simbólica marcante, segundo a qual a própria comunidade tomou as rédeas de seu processo histórico-mítico para conduzir os destinos/desígnios de seu inconsciente coletivo, coisificado nas suas manifestações culturais.
Assim sendo, a tradicional procissão de São Cosme e Damião que ocorre há cerca de vinte e cinco anos – sempre no dia 27 de setembro - pelas ruas dos bairros do Jurunas e da Cidade Velha vai ser transformada em documentário audiovisual numa cena coordenada por um coletivo de ativistas associados e solidários do CINECLUBE AMAZONAS DOURO e da REDE APARELHO.
A ação, que fortalece a retomada de atividades do Cineclube Estrela Guia, que funciona no Terreiro de tradição afro-religiosa de mesmo nome, tem o apoio da PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes, e CNC – Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros, e, claro, da Escola de Samba Deixa Falar, presidida pelo sacerdote do Terreiro Estrela Guia, Esmael Tavares.
O grêmio recreativo cultural e carnavalesco DEIXA FALAR, foi fundado em 23 de Abril de 1992 na Rua Cesário Alvim, 391-A, Bairro da Cidade Velha em Belém do Pará. Suas cores são azul e branca, seu símbolo é o papagaio. Já o Terreiro Estrela Guia nasceu em 20 de janeiro de 1966 pelas mãos da Senhora Maurícia Primo de Sousa, Mãe Santa, para cultuar Rei Sebastião e Don João Rei de Mina.

Sincretismo – Toda essa mistura só tem sentido num país sincrético, portanto, afirmar as mais diversas religiões de matrizes africanas é mais que um desafio. Muito da nossa afro-religiosidade também sustenta a tradição cristã. Assim sendo, São Cosme e São Damião – que são cultuados pelo catolicismo – são sincretizados com os Ibeji São Crispin e Crispiniamo. Os Ibeji são chamados de Erê e, também, de Curumi. Também chamados "crianças", a falange de Ibejí é composta de meninos e meninas de todas as raças e idades.
De acordo com a UNI-AFRO, em geral, as cores que os representam são o azul e o rosa, geralmente conjugados com o branco. Além de protegerem as crianças, Cosme e Damião são também considerados padroeiros dos médicos e farmacêuticos. Assim sendo, variam as datas de comemoração destes santos/entidades: dia 26 de setembro (Igreja Católica); dia 27 de setembro (cultos afro-brasileiros; e 25 de outubro (Terreiros de Umbanda).

Documentário e Cineclube – O Cineclube Estrela Guia nasceu em parceria com o Cineclube Amazonas Douro, em 2009, tendo realizado algumas sessões não periódicas, mas sempre com objetivo de agregar a comunidade e com esta discutir questões que lhe são de interesse. Com a definição do enredo da DEIXA FALAR para o carnaval 2012 (MARUJADA, É BRAGANTINA, É PARAENSE, É BRASILEIRA - carnavalesco Eduardo Wagner), e dos conseqüentes processos de pré-estruturação e de preparação para o desfile do carnaval, a comunidade achou por bem retoma as projeções cineclubistas, mas desta vez com enfoque na formação dos quadros cineclubistas para que estes também se tornem cine-ativistas.

Cinema e tecnologia do possível - Assim sendo, ficou decidido a urgência de pelo menos dois minicursos com foco no conceito e obtenção de fotografias além do conceito e práticas de montagens a partir de equipamentos e softwares de fácil manipulação, sob a responsabilidade voluntariosa dos cineclubistas Arthur Leandro (CNC) e Francisco Weyl (PARACINE). Os dois, aliás, entram em campo neste domingo, em oficina que vai delinear diretrizes para o documentário de SÃO COSME E SÃO DAMIÃO, realizado de forma coletiva por cineclubistas do ESTRTELA GUIA/DEIXA FALAR. O minicurso intensivo acontece das 8 ás 14hs deste domingo, 24 de setembro, na DEIXA FALAR. E o documentário, dia 27, a partir das 7hs da manhã, nas ruas do Jurunas e da Cidade Velha.

Contatos: DEIXA FALAR (http://gresdeixafalar.blogspot.com/),

©
FRANCISCO WEYL
Carpinteiro de poesia e cangaceiro de cinema





Cineclube Estrela Guia volta com força total.

O cineclube Estrela Guia nasceu em parceria com o Cineclube Amazonas Douro, foram sessões realizadas em janeiro de 2009 para a estréia do filme “São Sebastião de Cachoeira do Arari”, de Francisco Weyl, e agora em uma reunião com o GT de Comunidades Tradicionais da PARACINE a comunidade manifestou interesse em retomar as atividades cineclubistas com regularidade e frequência.
ACESSE E SAIBA MAIS AQUI:
http://terreiroestrelaguia.blogspot.com/2011/09/cineclube-estrela-guia-volta-com-forca.html

sábado, 10 de setembro de 2011

O cinema que vem das águas

O Cineclube Amazonas Douro, em parceria com a PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes, e o CNC – Conselho Nacional de Cineclubes, marcam presença no neste domingo, dia 11 de setembro, no 1º ENCONTRO DAS ÁGUAS - Festival de Carimbó de Santa Bárbara do Pará (http://campanhacarimbo.blogspot.com/2011/09/as-aguas-do-carimbo-se-encontram-em.html).
O evento reunirá grupos, mestres, carimbozeiros e ativistas culturais de vários municípios paraenses, unidos sob a bandeira da Campanha Carimbó patrimônio Cultural Brasileiro. O evento é integrado ao Circuito ZIMBA PARÁ – Aliança de Festivais da Campanha do Carimbó, projeto que busca articular apoio e visibilidade para os festivais e eventos de carimbó no Estado.

O Cineclube vai projetar filmes de comunidades periféricas - na contracorrente das instituições e à revelia do silêncio dos fazedores de opinião e de cultura -, como por exemplo “São Sebastião de Cachoeira do Arari”, de Francisco Weyl, e “A Festa da Cobra”, do coletivo Resistência Marajoara, que atravessam o universo marajoara, os elementos mágicos, míticos e religiosos, as encenações híbridas, o sagrado e o profano, alguns signos e as suas possibilidades de traduções, as tradições e o tempo presente, enfim, diversos e complexos processos simbólicos de representação comunitária.
“Forjados nas práticas artísticas e sociais que envolvem as comunidades locais, enquanto pilares das atividades inovadoras que possibilitam a melhoria da qualidade de vida das pessoas, estes filmes são parte de uma nova concepção estética que vem sendo construída a partir dos tradicionais símbolos míticos e eróticos da cultura marajoara, nos quais as falas perdem lugar para as atitudes, os pensamentos saem de cena para a entrada dos gestos, os protocolos são superados pelos processos e os resultados idealizados são destruídos pelas dinâmicas sociais”, analisa o autodenominado carpinteiro de poesia, o realizador Francisco Weyl.
SERVIÇO – Cineclubismo no 1º ENCONTRO DAS ÁGUAS - Festival de Carimbó de Santa Bárbara do Pará. Dia 11 de setembro de 2011. 18Hs. Santa Bárbara do Pará. Realização: CINECLUBE AMAZONAS DOURO. Parceria: PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes. CNC – Conselho Nacional de Cineclubes.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Hélio Amorim dialoga com PARACINE + CNC

O cineclubista HÉLIO AMORIM, conselheiro fiscal da PARACINE, esteve em Belém para visitar a Feira do livro e aproveitou paraatualizar as informações sobre as cenas cineclubistas que rolam no estado do PARÁ.
Hélio garantiu participação na II JOPACINE em PARAUAPEBAS e se disse entusiasmado com os diálogos,



 HÉLIO também fez questão de relatar a situação do seu cinelcbe - BOCA DA MATA - neste momento com suas atividades supensas por motivo de censura.
Abaixo transcrevemos a NOTA OFICIAL COINTRA A CENSURA, do mesmo modo publicamos fotos do encontro que ele teve comigo, FRANCISCO WEYL, e ARTHUR LEANDRO.

SOLIDARIEDADE AO CINECLUBE BOCA DA MATA

Nota de Repúdio
A direção do Cineclube Boca da Mata vem por meio desta nota, repudiar publicamente a atitude ditatorial do atual presidente da Câmara Municipal de Redenção, vereador João Lucio,  que proibiu que nosso cineclube continuasse a exibir semanalmente filmes de qualidade, culturais, gratuitamente  para a juventude de Redenção como fazemos dede o ano passado, utilizando o plenário da Câmara Municipal. E não bastando isto, sua atitude  covarde de fazer a comunicação seu ato ignóbil atrás de recado, se recusando a emitir uma comunicação oficial, para que possamos justificar perante ao Ministério da Cultura o motivo da paralisação de nossas atividades.

Histórico do programa:  O programa Cine Mais Cultura, mantido pelo Ministério da Cultura, é um programa que abrange mais de 1000 entidades nos 27 estados da federação, muitos deles exibindo filmes nas Câmaras Municipais de seus municípios, auditórios de sindicatos e outras entidades.,

Histórico do Cineclube:  Conhecedores das carências do município, da falta de opção de lazer e cultura para a juventude, um grupo de professores criou um cineclube que ficou denominado Cineclube Boca da Mata (que foi o primeiro nome de Redenção, antes de virar cidade). Inscrevemos o cineclube no edital Cine Mais Cultura do Ministério da Cultura, fizemos um bom projeto  e fomos contemplados. Recebemos do governo federal todos os equipamentos para exibição, mais o acervo de filmes, mas nenhum dinheiro. As condições para tocar o projeto é a parceria com o poder público, e outras entidades. O apoio que recebemos foi suficiente para funcionar: A Secretaria Municipal de Educação cede o transporte para buscar os estudantes das escolas públicas em dias de sessão, e a Câmara de Vereadores cede o local para as exibições. No mais, temos sempre o apoio do SINTEP e de voluntários, pois a atividade não tem fins lucrativos.

Um breve balanço de nossas atividades:
- 23 sessôes cinematográficas, com um público aproximado de 1.500 pessoas
- Vídeo Índio Brasil, nove dias de filmes de temática indígena (programação nacional)
- Dia Internacional da Animação – Filmes de animação (programação nacional)
- Diversas sessões direcionadas aos estudantes das escolas públicas do  município, e aos jovens  assistidos pelos programas Projovem .

A Reedição da censura no município de Redenção – No dia 03/03 exibimos o filme nacional “Desmundo”, de Alain Fresnot, uma sessão direcionada aos alunos dos segundos anos do ensino médio das escolas estaduais Palma Muniz e Maria Benta, objetivando a melhor compreensão do período colonial brasileiro, matéria que é ministrada para essa  série. No dia seguinte fomos chamado no gabinete do vereador João Lúcio que estava acompanhado do vereador Junior Stédile, para tomar conhecimento de seu  descontentamento com o tipo de  filme que estávamos exibindo, e nos foi proposto censurar alguns filmes. Ficamos indignados com a interferência em nossa programação, que nunca antes havia acontecido, e recusamos o papel de  censores, mais adequado ao tempo da ditadura, nos colocando na condição apenas de exibidores. Após esta conversa, recebemos, como recado, a comunicação pela secretaria geral da Câmara de que não seria mais possível a continuidade nossas sessões.
Estamos em busca de outro espaço para dar continuidade a nossas atividades
O QUE NÓS TEMOS QUE SUPORTAR EM PLENO SÉCULO XXI

O VEREADOR DA IDADE MÉDIA  - JÕAO LÚCIO - , FECHA O ÚNICO CINEMA DA CIDADE DE REDENÇÃO-PA

O Cineclube Boca da Mata, participante do programa Cine Mais Cultura do Ministério da Cultura,  que funcionava todas as quintas-feiras no auditório da Câmara Municipal de Redenção, cujo público era na maioria os estudantes da rede pública, ou seja, a juventude de uma cidade que não oferece lazer nem cultura aos seus cidadãos, teve suas atividades suspensas pelo vereador que, alçado na condição de presidente, se sentiu dono da coisa pública, capaz de julgar, na sua gigantesca ignorância, o que deve ou não deve ser visto pela população. Antes da ordem de suspensão, tentou, arbitrariamente, censurar os filmes que seriam exibidos, tal como o índex do tempo da inquisição, ou a censura da ditadura militar. Em anexo vai  a nota de repúdio que a direção do Cineclube publicou. Repliquem este email, só assim se fica conhecendo a ação perniciosa dessas pessoas.

Helio Amorim
Presidente do Cineclube Boca da Mata

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Diálogos Cineclubistas resultam em novos projetos e ações


Cerca de trinta pessoas e vinte representações – entre cineclubes, ações, projetos e entidades – participaram dos VI Diálogos Cineclubistas, esta manhã, em Santarém, Pará.
Evento comunitário do Fórum Amazônico de Software Livre - FASOL, os diálogos permitiram aos seus participantes uma melhor compreensão da importância do cineclube para a transformação da sociedade

 
Sob a coordenação de Adriane Gama (CASA BRASIL / PURAQUÉ / TELECENTROS.BR), Arthur Leandro (CNCN/APARELHO/UFPA/NANGETU) e Francisco Weyl (PARACINE / AMAZONAS DOURO / RESISTÊNCIA MARAJOARA), a roda de conversa tematizou as convergências entre princípios e práticas do cineclubismo e do software livre.
De acordo com Adriane Gama, o cineclube estimula a solidariedade e respeita a diversidade, do mesmo modo o software livre, razão pela qual são diversos os fatores em comum entre estas duas culturas, sendo, entretanto, a produção partilhada de conhecimentos a mais importante delas.

Encaminhamentos – Os VI Diálogos Cineclubistas definiram pela realização de uma série de ações já no mês de outubro. Entre estas, uma OFICINA DE FORMAÇÃO (sob a responsabilidade Francisco Weyl), sessões itinerantes (sob a responsabilidade de Adriane Gama) – com o uso de uma apostila com tópicos básicos (a ser elaborada por FW e Arthur Leandro).
No inventário presencial, foram listados os seguintes cineclubes, entidades e projetos: CINECLUBE PRIMEIRA ESTAÇÃO DA CASA BRASIL; CINE PURAQUÉ; CINE MOCORONGO – PSA; CINE CONQUISTA; CINE AMPARO; CINE ESPERANÇA (Santarém); CINECLUBE EPITACIOLÂNCIA; CINECLUBE RUI LINO (Acre); os projetos CAPS (Acre); BELTERRA – Pará; CINE SURUACARÁ – Movido à energia solar (Santarém/Pará); CINECLUBE COMUNITÁRIO DA JADERLÂNDIA  (Santarém/Pará); e MAGUARI  (Santarém/Pará); os cineclubes de Belém AMAZONAS DOURO; CINECLUBE NANGETU e REDE APARELHO; e as entidades gerais CNC; PARACINE; RESISTÊNCIA MARAJOARA; e CINEMA DE RUA.

 Além destes resultados, o encontro entre cineclubistas fez nascer o projeto DIÁLOGOS AUDIOVISUAIS AMAZÔNDAS, que consiste numa série de pequenos depoimentos e entrevistas dos atores do setor sobre o trabalho que desenvolvem na Região. Os vídeos serão postados no youtube e divulgado nas redes sociais.


Destaques – Destaques desta VI versão dois diálogos fica para a participação do cineasta Bob Barbosa, do projeto Saúde Alegria, que faz filmes com as comunidades ribeirinhas tapajônicas. Bob falou de sua trajetória e partilhou seus conhecimentos e experiências com os participantes dos diálogos, a maioria dos quais monitores do Telecentros.BR, que vieram a Santarém para o FASOL.
Alguns dos monitores chegaram a revelar que já desenvolveram ações e outros se mostraram entusiasmados com a possibilidade de virem a praticar cineclubes, de que são exemplos Márcio Valente e Maviane Andrade (Acre).
Maviane Andrade, de Epitaciolândia, Acre, que, aliás, participou da Oficina de Cineclubismo, realizada dia 31 de agosto, disse que, apesar de ser nova no meio, não quer perder nenhuma ação, ao contrário, pretende aprender o máximo possível para melhor atuar no seu Telecentro.
 .
Avaliação – O coordenador da PARACINE, Francisco Weyl, nas suas considerações finais,k agradeceu a galera presente e disse que sentia bastante emocionado não apenas pela realização dos diálogos pela primeira vez em Santarém, mas também porque os diálogos são formas construtoras da História.
“Como pequenos grãos a formar uma duna com as lufadas do vento por sobre a areia, aos poucos e de forma universalmente inconsciente, nós estamos construindo a história, porque o cineclube é assim, uma missão poética anônima, missionária e reveladora da força humana”, concluiu.

© ATIVADORES AMAZÔNIDAS








quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Ato político filia cineclubistas na PARACINE + CNC

A oficina de cineclube realizada ontem à tarde (dia 31 de agosto) no âmbito do Fórum Amazônico de Software Livre foi apenas uma prévia do que vai ser os diálogos cineclubistas, que acontecem amanhã de manhã (sexta-feira, 2 de setembro), no IFPa. Quem garante é o ativador de redes do Telecentros,BR responsável pela oficina, Francisco Weyl, que coordena a PARACINE, Federação Paraense de Cineclubes.

A oficina de cineclube de ontem contou também com a colaboração do professor da Universidade Federal do Pará – UFPa, Arthur Leandro, ativista de diversos movimentos sociais; da tutora do Telecentros.BR, Adriane Gama, cineclubista e militante de software livre; e do especialista em informática Gabriel Abreu, do projeto Saúde Alegria, que trouxe para a roda a experiência de trabalho autoral audiovisual com populações ribeirinhas.
Promovidos entre parceiros artísticos, culturais, sociais e institucionais, os diálogos cineclubistas são experiências com ampla participação democrática de pessoas, grupos, coletivos, entidades, instituições e empresas que desenvolvem ações cineclubistas e/ou que realizam, produzem, pesquisam cinema e o audiovisual em geral, nas reflexões, formulações de pensamentos e proposições de projetos, programas e ações de natureza cineclubista.
Sob a temática cineclubismo e mídias sociais, os diálogos que rolam amanhã, entre às 9H. e às 12H. deverá contar com a participação de diversos monitores do programa além de cineclubes santarenos, que vão fazer um ato político de filiação à PARACINE e ao Conselho Nacional de Cineclubes – CNC.

Serviço –VI DIÁLOGOS CINECLUBISTAS. Dia 2 de setembro. Das 9H às 12H. Local. IFPa, Santarém, Pará. Realização: PARACINE. Parceria: Telecentros.BR + FASOL + Network HACK-LAB + Puraqué. Coordenação: Adriane Gama, Arthur Leandro, Francisco Weyl.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A onda cineclubista do Tapajós

A tutora do programa Telecentros.BR, ADRIANE Gama, que também é ativista de software livre, vai estar à frente da OFICINA e dos DIÁ-LOGOS CINECLUBISTAS, que rolam, respectivamente, dias 31 de agosto (das 14H às 18H) e dia 2 de setembro (das 9H às 13H), no campus do IFPa, em Santarém.
Coordenadora de articulação regional da PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes, Adriane toca o Cineclube da CASA BRASIL, da qual é coordenadora, além de ser uma das principais articuladoras do CINE PURAQUÉ e de estimular os monitores do Telecentros.BR de Santarém a desenvolverem atividades cineclubistas.
Ela afirma que trabalha forte com cineclubes porque acredita na possibilidade de democratização da linguagem cinematográfica, motivo pela qual ela convida pessoas para as sessões que dinamiza.
“O cineclube é uma forma de mudar a consciência critica das pessoas, quem tem este conhecimento vai longe, quando eu falo com as pessoas sobre estas ações, sinto que elas estão empolgadas para participar, seja do diálogo, seja do cineclube, que é uma ação colaborativa transformadora.

DIÁLOGOS - Os Diá-logos CINECLUBISTAS, que são experiências promovidas com parceiros artísticos, culturais e sociais, sob responsabilidade da PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes, em parceria com o programa nacional de inclusão digital Telecentros.BR. Dessa vez, entretanto, dentro do FASOL – Fórum Amazônico de Software Livre, e com apoio da ONG Puraqué e projeto Network HACK-LAB.
A experiência garante ampla participação democrática de pessoas, grupos, coletivos, entidades, instituições e empresas que desenvolvem ações cineclubistas e/ou que realizam, produzem, pesquisam cinema e o audiovisual em geral, nas reflexões, formulações de pensamentos e proposições de projetos, programas e ações de natureza cineclubista.

Serviço – OFICINA DE CINECLUBISMO. Dia 31 de agosto, das 14H às 18H. DIÁLOGOS CINELCUBISTAS. Dia 2 de setembro. Das 9H às 12H. Local. IFPa, Santarém, Pará. Realização: PARACINE. PARCERIA: Telecentros.BR + FASOL + Network HACK-LAB + Puraqué. Coordenação: Adriane Gama, Arthur Leandro, Francisco Weyl.

© ATIVADORES AMAZÔNIDAS

sábado, 27 de agosto de 2011

CINECLUBISTAS DIALOGAM SOBRE CULTURA DIGITAL, ÉTICA HACKER E SOFTWARE LIVRE


A PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes e parceiros têm a honra de convidar a comunidade da região do grande Tapajós, da Amazônia em geral e de todas as demais regiões nas quais habitem pessoas que acreditam no cinema como um instrumento de transformação social para as ações cineclubistas que acontecerão em Santarém, durante o FASOL – Fórum Amazônico de Software Livre (fasol.org.br).
Os diálogos são experiências que a PARACINE e parceiros artísticos, culturais e sociais vêm realizando há três anos no sentido de garantir ampla participação democrática de pessoas, grupos, coletivos, entidades, instituições e empresas que desenvolvem ações cineclubistas e/ou que realizam, produzem, pesquisam cinema e o audiovisual em geral, nas reflexões, formulações de pensamentos e proposições de projetos, programas e ações de natureza cineclubista.
Assim sendo, já foram realizados seis diálogos: o primeiro, de forma itinerante, percorreu diversas entidades de Belém e Ananindeua, em 2009. O segundo, em 2010, aconteceu no Instituto Nangetu. O terceiro, em 2010, durante a Jornada Paraense de Cineclubes, também ela de natureza dialógica. O quarto, no Hotel Beira-Rio, com caráter Afro-Religioso, em 2010. O quinto, em Cotijuba, que discutiu Cinema e Educação.
Nesse sentido, queremos contar com a presença de todos na programação que segue abaixo:
31 de agosto, 14H: DIÁLOGO
2 de setembro, 8H: OFICINA
Local: IFPa - Santarém

Realização: PARACINE
Apoio:
CNC - Conselho Nacional de Cineclubes; Puraqué; Instituto de Tradição Afro-Religiosa Nangetu; APJCC - Associação Paraense de Jovens Críticos de Cinema; Programa Nacional de Inclusão Digital Telecentros.BR; Curta CARAJÁS.